quinta-feira, 21 de julho de 2011

QUESTÕES DE CONCURSOS - EDUCAÇÃO ESPECIAL

1) Tendo como base a Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de fevereiro de 2001, sobre as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, considere as afirmativas a seguir:

I. Estabelece que, extraordinariamente, as classes especiais podem ser organizadas para atendimento transitório dos estudantes com necessidades educacionais acentuadas.
II. Estabelece que os estudantes com necessidades educacionais especiais acentuadas, que necessitam de atendimento individualizado e apoios contínuos, podem ser, em caráter extraordinário, atendidos em escolas
especiais.
III. Estabelece que os sistemas de ensino devem assegurar a acessibilidade aos estudantes com necessidades educacionais especiais nos seguintes aspectos: eliminação de barreiras arquitetônicas e de comunicação.
IV. Estabelece que os estudantes com necessidades educacionais especiais devem ser matriculados no ensino regular e exclui a possibilidade de atendimentos segregados, tais como classes especiais e escolas especiais.

Estão CORRETAS apenas as afirmativas:
a) I, II e III.
b) I, II e IV.
c) I, III e IV.
d) II, III e IV.

QUESTÃO
2) Como política de educação, a inclusão de alunos que apresentam necessidades educacionais especiais na rede regular demanda não apenas a matrícula do aluno ou a permanência física junto aos demais alunos, mas representa a possibilidades de revermos concepções e paradigmas, num profundo respeito pelas suas diferenças. Atender às diferenças, atender às necessidades especiais, mudar o olhar da escola, pensando não a adaptação do aluno, mas a adaptação do contexto escolar aos alunos. Isso significa torná-lo múltiplo, rico de experiências e possibilidades, pronto para viver, (con)viver com o diferente, rompendo barreiras humanas e arquitetônicas, criando novos conceitos, dando novos sentidos, ressignificando a aprendizagem e, conseqüentemente, o desenvolvimento humano. Nesse processo, ressalta-se a função social da escola que, a partir de ações diversas, favorece interações múltiplas, definindo em seu currículo práticas heterogêneas e inclusivas que garantam o acesso e a permanência dos alunos. Esse ensino na diversidade exigirá, EXCETO:

A) percepção das necessidades especiais; observar; registrar;
B) flexibilidade nas ações pedagógicas;
C) avaliação sobre o limite do potencial desenvolvido pelo aluno;
D) atuação em equipe (relações entre a educação especial e a regular);
3) Historicamente, a escola caracterizou-se pela visão da educação que delimita a escolarização como privilégio de um grupo. A partir do processo de universalização e democratização da educação, a escola passa a ser para todos, mas por manter a visão homogeneizadora do aluno, cria o paradoxo:

A) universalização/ integração
B) inclusão/exclusão
C) integração/inclusão
D) exclusão/ integração
E) universalização/inclusão

4) Tradicionalmente, a educação especial organizou-se como um atendimento educacional com diferentes compreensões, terminologias e modalidades que levaram à criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais. Atualmente a educação especial é definida como:
A) um atendimento clínico-terapêutico, paralelo ao ensino comum.
B) uma modalidade de ensino separada da educação básica.
C) um atendimento especializado substitutivo ao ensino comum.
D) uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades.
E) um atendimento especializado, opcional ao aluno no ensino comum.
5) No Brasil, o atendimento às pessoas com deficiência teve início na época do Império com a criação de duas instituições, quais sejam:
A) o Instituto Pestalozzi, instituição especializada no atendimento às pessoas com deficiência mental e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE.
B) o Instituto Helena Antipoff, centro de referência nacional em educação especial e o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant – IBC.
C) o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant – IBC e o Instituto dos Surdos-Mudos, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES.
D) o Instituto dos Surdos-Mudos, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE.
E) a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE e o Instituto Helena Antipoff, centro de referência nacional em educação especial.

6)  A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela ONU em 2006, estabelece que os estados-parte devem garantir um sistema de educação inclusiva em todos os níveis de ensino e em ambientes que valorizem o desenvolvimento:
A) social e acadêmico das pessoas com necessidades educacionais especiais, quando for possível o acesso ao ensino
fundamental de qualidade e gratuito.
B) intelectual, social e motor das pessoas com necessidades educacionais especiais, quando for possível sua permanência em sala de aula comum.
C) acadêmico e emocional das pessoas com necessidades educacionais especiais, de acordo com as condições da escola e do ano de escolaridade que o aluno freqüentar.
D) social e intelectual das pessoas com necessidades educacionais especiais, conforme suas especificidades ou dificuldades diante do currículo escolar.
E) acadêmico e social das pessoas com necessidades educacionais especiais em igualdade de condições com as demais pessoas na comunidade em que vivem.

7) A reestruturação do ensino regular e especial tem se configurado pela defesa de uma escola de qualidade para todos. Nessa perspectiva, o princípio básico divulgado em documentos oficiais é o de que: “as escolas do ensino regular devem educar todos os alunos, enfrentando a situação de exclusão escolar das crianças com deficiência, das que vivem nas ruas ou que trabalham, das superdotadas, em desvantagem social e das que apresentam diferenças linguísticas, étnicas ou culturais.” Esse princípio foi originalmente apresentado na:
A) Declaração de Salamanca
B) Declaração de Guatemala
C) Declaração de Cochabamba
D) Declaração de Montreal
E) Declaração de Dakar

8) Segundo o documento Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, a educação especial passa a constituir a proposta pedagógica da escola, definindo como seu público-alvo os alunos com:
A) transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades e dificuldades de aprendizagem.
B) dificuldades de aprendizagem, transtornos globais de comportamento e deficiência.
C) transtornos globais de desenvolvimento, altas habilidades/superdotação e deficiência.
D) altas habilidades/superdotação, deficiência e transtornos globais socioemocionais.
E) deficiência, superdotação e dificuldades de aprendizagem em mais de uma área.

9) A inclusão escolar de alunos com deficiência em escolas regulares tem suscitado debates entre profissionais, tanto da área de educação, como de saúde. Sabe-se que é um direito garantido pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96), a oferta da educação especial enquanto dever constitucional do Estado, devendo ter início na Educação Infantil, na idade de zero a seis anos. Entretanto, mesmo com esse direito garantido, Mendes (2000) destaca que ainda parece escasso o processo de atenção a essa faixa etária, apesar da política de inclusão caminhar no sentido da universalização. Retomando a LDB 9.394/96, sobre a educação especial, analise as proposições:

I Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais.
II Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com necessidades especiais: currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específica, para atender às suas necessidades.
III Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos com necessidades especiais: professores com especialização adequada em nível médio ou superior, para atendimento especializado, bem como professores do ensino regular capacitados para a integração desses educandos nas classes comuns.
IV O atendimento educacional será feito em classes, escolas ou serviços especializados, sempre que, em função das condições específicas dos alunos, não for possível a sua integração nas classes comuns de ensino regular.
V A oferta de educação especial, dever constitucional do Estado, tem início com a educação fundamental.

Sobre as proposições é CORRETO afirmar:
a) Todas as proposições são falsas.
b) Somente as proposições II, III e IV são verdadeiras.
c) Todas as proposições são verdadeiras.
d) Somente a proposição V é falsa.

10) A Declaração de Salamanca apresenta uma estrutura de ação em Educação Especial. O princípio que orienta essa estrutura é o de que “escolas deveriam acomodar todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras.” No contexto dessa estrutura, o termo necessidades educacionais especiais refere-se:

A) às estruturas escolares necessárias ao trabalho com alunos que apresentam um padrão de desenvolvimento mais lento.
B) aos recursos que precisam ser adaptados e implementados para suprir as demandas que o aluno possa vir a apresentar no percurso escolar.
C) às situações diferenciadas de ensino com a finalidade de favorecer o aprendizado de todos os alunos em uma sala de aula.
D) às crianças ou jovens cujas necessidades educacionais especiais se originam em função de deficiências ou dificuldades de aprendizagem.
E) à formação específica dos professores para lidar com alunos com deficiências, transtornos do desenvolvimento global ou altas habilidades.

11) De acordo com o documento elaborado a partir da Conferência Mundial de Educação Especial (1994), o princípio fundamental da escola inclusiva é o de que:

A) escolas inclusivas devem reconhecer e responder às necessidades diversas de seus alunos, quando for possível para o professor de sala de aula fazer isso.
B) todas as crianças devem aprender juntas, sempre que possível, independentemente de quaisquer dificuldades ou diferenças que elas possam ter.
C) todas as crianças devem frequentar escolas comuns de ensino, sendo a classe especial o lugar apropriado para o aluno com deficiência intelectual.
D) escolas inclusivas devem assegurar uma educação de qualidade a todos através de um currículo único e com conhecimentos básicos.
E) todas as crianças que tiverem diagnóstico de mais de uma deficiência deverão ser atendidas por professores especializados na escola comum.

12) O debate sobre a educação de crianças com deficiência tem apontado para a necessidade de se elaborar outra concepção sobre a deficiência, menos focada nos aspectos orgânicos e com mais ênfase nas relações sociais e educacionais. Nessa tendência, a deficiência:
A) permanece um quadro imutável diante dos aspectos educacionais, sociais, emocionais ou motores, ainda com poucas possibilidades.
B) deixa de ser um quadro estável, uma vez que os processos educacionais podem intervir nos processos de desenvolvimento e aprendizagem.
C) deixa de ser um quadro estável dependendo da condição e da gravidade da deficiência apresentada pela criança.
D) continua como uma condição inalterável diante dos processos educacionais proporcionados pela escola e pela sociedade.
E) deixa de ser uma patologia para ser compreendida como um desvio de desenvolvimento, minimizado por tratamentos.
13) Considerando os estudos realizados sobre Educação Inclusiva, marque com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas.
( ) Para qualquer tipo de deficiência, é importante a estimulação precoce entre 0 e 3 anos e a escolarização (comum ou especial) a partir de 3 anos.
( ) No período da Educação Infantil e nas etapas do Ensino Fundamental, recomenda-se que os alunos surdos estudem em classes especiais para surdos (escolas comuns ou especiais) de modo que haja um ambiente lingüístico comum a todos.
( ) A deficiência múltipla é a associação, no mesmo indivíduo, de duas ou mais deficiências primárias, com comprometimentos que acarretam atrasos no desenvolvimento global e na capacidade adaptativa. Não há relação de dependência de uma deficiência com a outra e não há predomínio de nenhuma delas.
( ) A deficiência física não implica perda cognitiva, portanto, pode se beneficiar dos programas de ensino em escolas comuns, desde que possua, além dos profissionais de educação, profissionais de reabilitação (fisioterapeuta, terapeuta educacional, fonoaudiólogo) e de saúde (ortopedista, neurologista, oftalmologista, pediatra, etc.).
( ) É importante estimular a pessoa cega a fazer suas atividades do modo mais independente possível. Ela deve ser tratada de acordo com a idade cronológica que tem e o currículo será o mesmo para o aluno deficiente visual e o aluno vidente, com adaptações necessárias.
A seqüência CORRETA, de cima para baixo, é:
a) F, V, F, V, V.
b) F, F, V, V, V.
c) V, F, V, F, V.
d) V, V, V, F, F.

14) Uma das categorias especificadas dentro das necessidades educacionais especiais é a dos alunos com transtornos globais do desenvolvimento. Nessa categoria estão incluídos os alunos que apresentam, por exemplo:
A) um potencial elevado em áreas isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança, psicomotricidade e artes.
B) impedimentos severos de longo prazo que podem ser de natureza física, mental, intelectual ou sensorial.
C) dislexia, disortografia, disgrafia, discalculia, transtorno de atenção e hiperatividade, dentre outros.
D) elevada criatividade, grande envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu interesse.
E) alterações nas interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito

15) A escolarização na perspectiva da cidadania tem como objetivo educacional a formação de um homem crítico, criador e autônomo quanto aos processos de construção do conhecimento. Nesse contexto, a escolarização do aluno com deficiência toma a seguinte direção:
A) reconhece as demandas dos alunos com deficiência à medida que eles vão permanecendo na escola por conta de reprovações consecutivas em um mesmo ano escolar.
B) articula os mesmos significados e sentidos que ela tem para os outros alunos que não apresentam defi ciência e reconhece a validade das interações no espaço escolar.
C) promove o acesso de todos os alunos à escola, percebendo o aluno com deficiência como diferente e com limitações preestabelecidas.
D) favorece a organização de espaços educativos individualizados para os alunos que não demonstrarem condições de elaborar sua autonomia.
E) possibilita a apropriação de conhecimentos mínimos e promove o desenvolvimento pessoal da forma mais individual possível para a formação de um homem autônomo.

16) A inclusão é uma inovação que implica um esforço de modernização e reestruturação das condições atuais da maioria de nossas escolas, especialmente as de nível básico, ao assumirem que as dificuldades de alguns alunos não são apenas deles, mas resultam em grande parte do modo como o ensino é ministrado e de como a aprendizagem é concebida e avaliada. É preciso mudar a escola e o ensino nela ministrado. Mudar a escola é enfrentar muitas frentes de trabalho, cujas tarefas fundamentais são, EXCETO:
a) Formar, aprimorar continuamente e valorizar o professor.
b) Recriar o modelo educativo escolar, tendo como eixo o ensino para todos.
c) Garantir aos alunos tempo e liberdade para aprender, bem como um ensino que segregue e que reprove a repetência.
d) Reorganizar pedagogicamente as escolas, abrindo espaços para a cooperação, o diálogo, a solidariedade, a criatividade e o espírito crítico entre a comunidade.

17) Segundo Góes (2004), o conceito “educandos com necessidades educacionais especiais” abarca os alunos que durante o processo educacional apresentarem:
I. dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das atividades curriculares;
II. dificuldades de comunicação e sinalização diferenciadas dos demais alunos, demandando a utilização de diferentes formas de linguagens;
III. altas habilidades/superdotação e grande facilidade de aprendizagem.
A opção CORRETA é:
a) Os itens I, II e III são verdadeiros.
b) Apenas o item II é verdadeiro.
c) Apenas o item III é verdadeiro.
d) Apenas os itens I e III são verdadeiros.

18) O processo de inclusão causa uma mudança de perspectiva educacional, pois não se limita a ajudar somente os alunos que apresentam dificuldades na escola, mas apóia a todos os professores, a família, a equipe técnicoadministrativa, para que todos tenham sucesso. Marcos, um aluno de 6 anos, mal chegava à sala de aula, começava a chorar, vomitava o café da manhã, sujava-se todo, pois não tinha controle do esfíncter, o que o obrigava a voltar para casa. Essa situação começou a ocorrer no meio do ano letivo, logo após a professora fazer uso do quadro branco para trabalhar cópia. No início, Marcos se negava a copiar as palavrinhas; quando o fazia, era sempre de forma incompleta. Por isso, ficava na sala sozinho na hora do recreio, terminando o trabalho. Depois de verificar as produções de Marcos, a pedagoga levantou hipóteses para investigar o que acontecia com o aluno.
I. Marcos sofre de um problema no aparelho digestivo e deverá ter encaminhamento médico adequado.
II. O nível de exigência da sua professora é muito baixo e Marcos não se acha interessado em fazer a cópia.
III. Marcos está somatizando uma dificuldade em relação ao inter jogo professor-aluno-conteúdo.
IV. Marcos não sabe copiar e, portanto, sua produção não mostra o quanto ele sabe.
V. O tempo dado para completar a tarefa não está compatível com o tempo de produção de Marcos.
São ADEQUADAS as hipóteses:
a) I e II.
b) II e IV.
c) III e IV.
d) III e V.

19) O princípio fundamental da escola inclusiva é o de que todas as crianças deveriam aprender juntas, independente de quaisquer dificuldades ou diferenças que possam ter. Dentro das escolas inclusivas, as crianças com necessidades educacionais especiais deveriam receber qualquer apoio extra de que possam precisar para que se lhes assegure uma educação efetiva. O professor que trabalha com a cultura viva é conhecedor das diferenças sociais existentes nos diferentes sujeitos. Consciente dessas tensões vividas constantemente na escola e na sala de aula, cabe-lhe:
I. não camuflar as desigualdades, no trabalho escolar, atentando para a tomada de consciência necessária sobre o multiculturalismo e a pluralidade social;
II. oportunizar a preparação para o exercício profissional como forma de inserir os alunos numa sociedade exigente de qualificação acadêmica e profissional;
III. contribuir para um trabalho voltado para as desigualdades, através de intervenções nas condições de ensino-aprendizagem e no preparo para a cidadania consciente;
IV. ressaltar a participação dos alunos em atividades curriculares, estabelecendo contato com associação médico-educativa.
Estão CORRETOS os itens:
a) I e II.
b) III e IV.
c) I, II e III.
d) II, III e IV.





20) O documento que veio reafirmar o direito da criança à educação e, ao mesmo tempo, estabelecer mecanismos de participação e controle social na formulação e na implementação de políticas para a inclusão é:
a) Declaração de Salamanca.
b) Declaração de Educação para Todos.
c) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
d) Referencial Curricular Nacional para a Educação.

21) A certificação especial de conclusão de etapa ou curso de educação básica oferecido ao aluno com necessidades educacionais especiais, no que e como couber, descreverá as habilidades e competências a partir de relatório circunstanciado e plano de desenvolvimento, de que constem ainda:
a) tempo de permanência na etapa do curso.
b) nível de aprendizado da leitura, escrita e cálculo.
c) programa de desenvolvimento educacional para o aluno.
d) processos de aprendizagem funcionais, da vida prática e da convivência social.

22) Para a identificação das necessidades educacionais especiais dos alunos e a tomada de decisões quanto ao atendimento necessário, a escola deve realizar, com assessoramento técnico, avaliação do aluno no processo de ensino e aprendizagem, contando, para tal, com:
I. a experiência de seu corpo docente, seus diretores, coordenadores, orientadores e supervisores educacionais;
II. o funcionamento de novas escolas que preenchem os requisitos de infraestrutura definidos;
III. o setor responsável pela educação especial do respectivo sistema;
IV. a colaboração da família e a cooperação dos serviços de Saúde, Assistência Social, Trabalho, Justiça e Esporte, bem como do Ministério Público, quando necessário.

Estão CORRETOS os itens:
a) I, II e III.
b) I, III e IV.
c) II, III e IV.
d) I, II, III e IV.



GABARITO:

01 – A
02 – C
03 - B
04 - D
05 - C
06 - E
07 - A
08 - C
09 - D
10 - D
11 – B
12 - B
13 - C
14 - E
15 - E
16 - C
17 - A
18 - D
19 - A
20 - A
21 - C
22 - B










Um comentário:

  1. Muito bom esses questionamentos com resoluções. Ampliou meus conhecimentos. Obrigada!

    ResponderExcluir